As três virtudes para escalar o céu - Retiro Carmelitano

Dando continuidade à Oração dos Santos Padres da Igreja, o retiro deste domingo (17/05) teve como objetivo nos fazer refletir sobre ‘a escalada da vida humana para Deus’ a partir da Audiência Geral do Papa Bento XVI, em 11 de fevereiro de 2009, na qual Sua Santidade falou sobre os ensinamentos de João Clímaco - monge (580-650) que viveu no Monte Sinai recordando que a fé é renúncia à “arrogância” e “caminho rumo à humildade, à infância espiritual”.
Desde o momento de nosso nascimento, temos como meta o retorno à casa do Pai, alcançar à Jerusalém celeste. A esse objetivo se impõe um caminho ao qual devemos seguir, visto que parado não chegaremos a lugar nenhum. Caminho este que se percorre degrau a degrau em uma longa escada e tem como ponto de chegada o próprio Deus.
O caminho não é fácil! Exige um constante combate primeiro conosco, no sentido de nos desapegarmos das coisas do mundo e sermos tomados por uma intimidade cada vez maior com Deus; intimidade que se vai paulatinamente alcançando através da oração e dos Sacramentos. Não significa isolamento; o cristão faz parte e tem responsabilidade sobre o mundo que aí está. Mas a comunhão com Deus deve nos levar à confiança e entrega total nas mãos do Senhor.
É dentro de nós que se encontram nossos maiores obstáculos, pois o modo como recebemos e rebatemos as humilhações - que é certo virão por parte de nossos irmãos – vai depender do quanto já nos desenvolvemos espiritualmente.
A caminhada deve ser cotidianamente alimentada pela prática das três virtudes teologias – Fé, Esperança e Caridade. É pela fé em Deus, que se revelou a Si mesmo na pessoa de seu Filho Jesus e nos garantiu a vida eterna, que acreditamos e esperamos o dia de gozar desta plenitude. A esperança, aqui, não significa passividade. Ao contrário, implica a prática constante da caridade, do olhar para o outro e do se fazer próximo.
Tampouco a caridade deve ser vista como uma simples ajuda ao irmão necessitado. Quando colocamos caridade como sinônimo de Amor, percebemos um comprometimento muito maior do que apenas dar e receber. Implica enxergar o irmão como alguém que depende de mim para cumprir sua escalada e sem o qual eu mesma também não conseguirei chegar lá.
Foi esse o propósito do retiro: Buscar refletir na Oração dos Santos Padres a espiritualidade que, hoje, a Igreja carece, soterrada como se encontra em seu ritualismo.
---
Colaboradora: Ariane Zoby

2 Comments:

  1. mirian lopez gonçalves said...
    O retiro me fez refletir mais como estou no meu dia a dia, como estou me relacionando com o meu próximo, em que degrau estou na minha vida.
    Solange said...
    Gostei muito do texto principalmente da parte que fala de atingir nossa caminhada degrau por degrau mesmo tendo obstaculos no caminho pois são eles que nos fazem crescer na espiritualidade e na fé atingindo nosso objetivo cristão do Amor ao próximo.
    Jesus fala aos apostolos-''Anunciai á Boa nova''
    Parabéns para o blog
    abraços fraternos
    Solange Bernardino

Post a Comment